30 de ago de 2017

O incontrolável

Como controlar
O que está fora
Do alcance,
Tão distante,
Se em um instante,
Surge o inesperado,
O inevitável,
O que é incontrolável?

Como controlar
Esse emaranhado
De caminhos,
Curvas,
Rotas confusas,
O destino,
A próxima parada,
Se haverá saída?

Como querer controlar
Se haverá sol,
Chuva,
Brisa,
Vento,
Bom tempo,
Como controlar
O tempo?

Esse tempo
Destemido,
Que vai indo,
Que já foi,
Que não enrola,
Que não volta,
Que escapa,
Que nem chega?

Como controlar
O sentimento que surge,
Envolve,
Esse mistério,
Por quem se apaixona,
Se também será amado,
Se será eterno,
Se será amor?

Como controlar
O desencontro,
Se haverá outra chance,
Quem vai partir,
Se um dia voltará,
A despedida,
O desenrolar da vida,
O suspiro final?

Ah, quanta inocência,
Que ilusão,
De algum dia achar,
Considerar,
Que alguma coisa,
Que alguma situação,
Seja ela qual for,
Poderia controlar.

8 de ago de 2017

A conversa mais importante



O dia começa e antes que eu sinta o sol, sinto o peso de todos os compromissos que me esperam.

O dia segue nessa correria, e me acompanha a certeza de que o tempo nunca será o bastante para tudo que preciso ou quero fazer.

Então, mais um dia vai chegando ao fim. Enquanto aguardo o descanso, dou conta das poucas e apressadas palavras que trocamos ao longo do dia. Algumas delas foram até meio inconscientes, só por hábito.

Percebo, envergonhada, que já não sei quando foi a última vez que tivemos uma conversa de verdade.

Aquela conversa em que, tranquilamente, conto sobre meu dia, o que me fez sorrir, o que me entristeceu ou entristeceu a ti. Sobre as pessoas que fizeram parte desse dia, e como desejo que cuide delas.

Aquela conversa em que, sem reservas, eu falo sobre todas as coisas que estão aqui dentro: anseios, medos, preocupações, dúvidas. Sobre os sonhos, dos simples aos que insisto em chamar de impossíveis.

Como uma fonte, as palavras jorram, se atropelam, se bagunçam, mas sei que uma a uma são compreendidas. Até aquelas que não consegui dizer.

Ah, como é maravilhoso saber que a tudo isso, você ouve. Entre milhões de pessoas, no meio de tantas outras conversas, sei que nesse momento, você ouve a mim!

E então, com tanta graça e amor, responde. A voz mais doce e suave que conheço. A mais forte e poderosa que temo.

Me responde com exortações, promessas, testemunhos lidos da Sua Palavra. Às vezes, me responde trazendo à memória uma canção.

Há vezes também que parece nada responder, apenas há​ o silêncio aquecendo meu coração. Mas ainda assim, é um sussurro que fala ao mais profundo de mim, de uma forma que a voz mais alta jamais poderia.

Ah, como preciso de nossas conversas.

São nessas conversas que eu me aquieto. Que as ansiedades fogem. Que o medo desaparece. Que as preocupações se provam​ desnecessárias.

É quando eu lembro por onde já caminhamos. Pela presença nos momentos difíceis, aqueles que pensei que não suportaria. Pelas providências que tanto precisava e por muitas que nem imaginava. Pelas lágrimas enxugadas.

São nessas conversas que eu vejo um pouco mais além. Que olho para o que é eterno. Para as coisas que ainda virão. Pelas promessas que se cumprirão. Pela certeza de que haverá um tempo em que ao conversarmos, oh, Jesus, será face a face.

Ah, meu amigo. Me perdoe porque hoje eu escolhi tantas outras coisas, e não a melhor parte. Por ter procurado tantas pessoas para conversar, e não antes a Ti. Por ter demorado tanto a me sentar aos teus pés e te ouvir falar. Por ter demorado a inclinar minha cabeça em teu peito.

Ah, meu amigo Jesus, obrigada porque agora eu estou aqui. E Tu estás aqui. E esse é o momento de termos nossa conversa.

22 de jun de 2017

As coisas que perdi




Já perdi tanta coisa
Que fico a pensar: será que existe um jeito de não se apegar?!
Já perdi gente tão querida,
Que quase penso: teria sido melhor a ninguém amar?!

Perdi a gatinha (que tanto amava),
a companhia (que tanto prezava),
a esperança (que tanto precisava).

Perdi a coragem (diante de uma oportunidade),
o sono (por muito me preocupar),
o sonho (por pouco tentar).

Perdi a chance de rir (diante da bobeira),
a calma (por causa de besteira),
o sorriso (pra dar lugar a choradeira).

Perdi a paciência, a confiança,
muitas lembranças, memórias,
a noção do tempo, a hora,
a chance de ficar calada, a boa palavra,
a consideração,
a boa intenção.

Perdi a saída,
o caminho,
a próxima parada,
o tempo, o presente,
o amigo, o contato,
o amor, o amado.

E de tanto perder, já nem sei mais se quero algo (ou alguém) encontrar.